Operação da Polícia Federal na Secretaria da Saúde repercute em plenário

por Comunicação/ALE publicado 08/08/2017 18h45, última modificação 09/08/2017 16h18

A operação desencadeada pela Polícia Federal (PF), em conjunto com a Controladoria-Geral da União (CGU), para investigar suposto esquema de fraudes em licitações na Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) gerou intenso debate durante a sessão ordinária desta terça-feira, 8. O primeiro a se pronunciar sobre o assunto foi o deputado Bruno Toledo (PROS). O parlamentar destacou a seriedade do ocorrido, mas fez questão de lembrar que desde dezembro do ano passado tem feito esse alerta, quando o plenário da Casa aprovou requerimento de sua autoria solicitando informações à Sesau, na época comandada por Rozangela Wyszomirska, atual reitora da Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), sobre dispensa de processos licitatórios e respectivos empenhos decorrentes de aquisição com dispensa de licitação ao longo dos anos de 2015 e 2016.

“No requerimento relacionei o nome de oito fornecedores, que tive o cuidado de buscar no Portal da Transparência e vi que, verdadeiramente, se caracterizava ali, pelo menos o indício, de fracionamento de compras com o intuito de burlar o processo licitatório comum”, contou Bruno Toledo, informando que das oito empresas relacionadas por ele no requerimento, duas estão sendo investigadas pela PF e CGU. “O requerimento foi aprovado por esta Casa no dia 13 de dezembro de 2016 e encaminhado à Sesau pela Mesa Diretora treze dias depois, e no dia 13 de junho deste ano a ex-secretária Rozangela nos encaminha ofício dizendo que não pode responder porque não é mais gestora da pasta e está como reitora da Uncisal”, lembrou Toledo.

Sem obter respostas, o deputado contou ainda que em maio deste ano encaminhou novos ofícios solicitando as mesmas informações – aquisição de insumos e serviços e correspondentes pagamento destes sem licitações prévias; quais empresas que forneceram insumos ou serviço ao Estado, através da Sesau ao longo dos últimos três anos sem prévia licitação e qual o valor nominal empenhado e pago a cada uma delas por ano –, ao atual secretário de Saúde, Christian Teixeira. “Também não obtive respostas”, contou, acrescentando que o questionamento também foi feito a Teixeira durante audiências públicas para debater a prestação de contas de recursos do SUS (Sistema Único de Saúde) realizadas pela Comissão de Saúde da Casa, porém sem sucesso.

“Inclusive na audiência desta segunda-feira (dia 7/8), novamente questionei o secretário: há fracionamento (de aquisição de insumos e serviços) na Sesau? E o secretário Christian Teixeira, com a eloqüência que tem, optou por não me responder”, disse Bruno Toledo, ressaltando que as respostas que tanto buscou lhe foram dadas hoje com a operação da PF. “Não trouxe esse assunto fazendo presunção de culpa de ninguém, a operação está aí, precisamos aguardar os acontecimentos”, disse o parlamentar.

Em aparte, o deputado Rodrigo Cunha (PSDB) se associou ao pronunciamento do colega de plenário. Ele disse que a Casa não pode ficar omissa e que a operação é fruto do momento que o País vivencia. “Nesse caso específico, lembro o caso dos pequenos fornecedores da Sesau que não estão recebendo seus pagamentos, diferente desses que estão envolvidos na operação”, lembrou Cunha.

Também em aparte, o líder do Governo na Casa, deputado Ronaldo Medeiros (PMDB) defendeu o Executivo observando que todas as compras realizadas pela Sesau estão registradas no Portal da Transparência e que o governador Renan Filho vem exigindo de seu secretariado que prestem contas de suas ações. “O governador também exige que esses fatos sejam apurados e que vai adotar todas as medidas. Não vamos prejulgar o Governo pelo simples fato da PF fazer uma operação. Vamos aguardar o desenrolar dos fatos e que os culpados sejam punidos com os rigores da lei”, disse Medeiros.

O deputado Antonio Albuquerque (PTB) destacou a relevância do assunto. Ele é de opinião que a ex-secretária Rozangela Wyszomirska precisa dar muitas explicações, lembrando que a mesma “não queria saber de políticas ou de políticos na Sesau”. “Acho que chegou a hora dela provar sua idoneidade e santidade. E que essa Casa cumpra com seu papel que é fiscalizar”, disse Albuquerque frisando não acreditar que o governador tenha conhecimento ou compactuado com qualquer irregularidade na Secretaria de Saúde.

Quem também discutiu o tema foi o deputado Isnaldo Bulhões (PMDB). Ele disse que apesar da investigação não se pode condenar ninguém por desvio de recursos públicos e que o ocorre é uma prática que vem sendo feita desde 2010, que aparentemente vinha sendo adotada pela Sesau para atender algumas demandas de forma emergencial. “O que não é justificável, se isso ficar comprovado que aconteceu. Naturalmente será apurado e aqueles secretários que ali passaram incorreram em equívocos administrativos e talvez algum tipo de improbidade administrativos”, disse Bulhões.

Outro que se posicionou sobre o assunto foi o deputado Francisco Tenório (PMN), que é presidente da Comissão de Saúde da Casa. Na opinião dele não há nenhum “sintoma de desonestidade” na ex-secretária Rozangela Wyszomirska. “Há erros, que estão praticamente comprovados na investigação policial, que não começaram hoje, mas, acredito eu, essa prática se deu por incompetência administrativa”, avalia Tenório.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.