Deficiência no abastecimento d'água em bairros de Maceió é novamente debatida em plenário

por Comunicação/ALE publicado 18/11/2021 14h05, última modificação 18/11/2021 14h05

Em pronunciamento durante a sessão plenária desta quinta-feira, 18, a deputada Jó Pereira (MDB) comunicou ao pares que apresentou uma indicação na qual convida as diretorias da BRK Ambiental, da Casal e da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal) para que expliquem ao Parlamento quais os motivos das constantes interrupções no fornecimento de água na Região Metropolitana de Maceió. Jó Pereira tomou como base o desabafo de uma moradora do conjunto Eustáquio Gomes que, desesperada, fazia um apelo nas redes sociais.

“Protocolei uma indicação solicitando a convocação da BRK, da Arsal e da Casal, para que juntas possam prestar esclarecimentos e trazer luz ou, mais precisamente falando, trazer água para as torneiras dos alagoanos”, informou Jó Pereira. “Lembro que há muito tempo cobramos investimentos nessa área que hoje afeta a vida de muitos alagoanos, e mais ainda após a venda da concessão, que gerou recursos para esses investimentos, assim prometido na época do leilão, mas que não estão sendo utilizados para essa finalidade”, observou a parlamentar.

O pronunciamento da deputada foi aparteado pelos deputados Davi Maia (DEM), Galba Novaes (MDB), Inácio Loiola (PDT), Dudu Ronalsa (PSDB), Francisco Tenório (PMN) e Ronaldo Medeiros (MDB). Ao se posicionar sobre o tema, Maia criticou o governo, dizendo este conseguiu fazer a maior concessão de saneamento básico do Brasil, graças ao trabalho realizado pela Casa. No entanto, “desmoraliza o processo”, acrescentando que desde a semana passada, juntamente com o presidente da Associação dos Moradores do Eustáquio Gomes, Marcos André, tem batido de porta em porta, sem solução para o problema do desabastecimento de água.

“É uma vergonha o que está acontecendo! Essa irresponsabilidade é da empresa (BRK). Estou há mais de 20 dias sem água em casa”, criticou Galba Novaes, morador do bairro Tabuleiro dos Martins. Inácio Loiola disse ser inadmissível faltar água em qualquer região, pois de acordo com ele, Alagoas é o estado mais privilegiado em termos de água no Nordeste. E que o último a investir em sistema de água no Estado foi o ex-governador Geraldo Bulhões, na década de 90. Dudu Ronalsa lembrou que na Casa já há um requerimento de autoria do deputado Cabo Bebeto (PTC) convidando a diretoria da BRK Ambiental para que explique toda essa problemática do abastecimento de água da grande Maceió, ressaltando a importância de aprová-lo, juntamente com a indicação da deputada Jó Pereira, até a próxima semana. Ele também sugeriu convidar alguns vereadores para a reunião. De acordo com Ronalsa, outros municípios, a exemplo de Piaçabuçu, não querem a BRK Ambiental como responsável pelo abastecimento e saneamento d’água.

O deputado Francisco Tenório disse que está faltando gerenciamento para solucionar os problemas, e não quis condenar a BRK por todos os transtornos causados à população, tendo em vista estar a poucos meses no controle. “O que é que a BRK comprou do Estado? Uma empresa sucateada, velha, falida, com um sistema de distribuição horrível. Não é fácil o trabalho que a BRK tem para melhorar o sistema de abastecimento de água de Alagoas”, ponderou Tenório. No entanto, o deputado Ronaldo Medeiros é de opinião contrária, uma vez que a BRK e as demais empresas que entraram no leilão, para precificarem (a Casal), estudaram o sistema em Alagoas. “Então dizer que a BRK não sabia o que iria encontrar é mentira. Outro fato importante é que a BRK teve uma transição contratual de 90 dias. Não estou tirando a responsabilidade da Casal, mas era para BRK ter adotado as medidas logo no início”.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.