Há 18 anos, tiroteio provocou afastamento de governador

por Comunicação/ALE publicado 17/07/2015 12h05, última modificação 17/07/2017 18h29
Há 18 anos, tiroteio provocou afastamento de governador

Foto: Adailson Calheiros/Gazeta de Alagoas

Há exatamente 18 anos, no dia 17 de julho de 1997, a Assembleia Legislativa tornou-se o centro das atenções da imprensa nacional e das autoridades, quando o movimento unificado dos servidores públicos estaduais ocupou a praça Dom Pedro II para exigir a renúncia do então governador Divaldo Suruagy, que faleceu em março deste ano. As finanças do Executivo haviam chegado à exaustão, com atraso de até nove meses no pagamento da folha salarial dos funcionários estaduais.

No confronto entre o movimento dos servidores estaduais e os soldados do Exército, pertencentes ao 59º Batalhão de Infantaria Motorizada - sediado em Maceió -, e requisitados para guarnecer o Legislativo, desencadeou-se um tiroteio na praça Dom Pedro II. Tal fato, que ganhou as manchetes dos principais jornais brasileiros e até de impressos de renome internacional, só se compara a outro episódio marcante na história política: a do impeachment do governador Muniz Falcão, em 1957, quando um tiroteio sitiou a praça Dom Pedro II e provocou morte e derramamento de sangue no recinto da Assembleia.

O 17 de julho de 1997 teve como consequência o afastamento de Suruagy do comando do Executivo. Longa negociação ocorreu, até que o governador renunciou ao cargo, assumindo seu vice, Manoel Gomes de Barros. A partir de então, houve a rolagem da dívida pública perante o governo federal, que terminou, como contrapartida, intervindo tacitamente na governança do Estado, ao “indicar” quadros de Brasília, inclusive generais, para ocupar funções estratégicas no governo.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.