Pauta de Movimento de Mulheres avança em encontro com governador e secretários

por Comunicação/ALE publicado 09/03/2019 22h51, última modificação 09/03/2019 22h51

No Dia Internacional da Mulher, o governador Renan Filho acenou com soluções para algumas demandas apresentadas a ele na tarde desta sexta-feira (8), pelo Movimento Unificado de Mulheres Alagoanas. Com a participação de representantes do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Alagoas (Cedim), entre elas a deputada estadual Jó Pereira, e secretários estaduais, o encontro aconteceu no Palácio República dos Palmares.

Entre as solicitações entregues pelo grupo com foco em ampliar a rede de proteção e atendimento às mulheres vítimas de violência, estão a construção de uma Casa de Passagem e a construção do Espaço Patrulha Maria da Penha, com a interiorização do programa.

Renan Filho sugeriu a ampliação ou realocação da Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), cuja sede é no Centro da capital, para abrigar a patrulha. Já em relação à interiorização do programa, pleiteada por Jó Pereira, o governador respondeu que antes deverá ser feito um mapeamento para identificar os locais com maiores índices de violência contra as mulheres no estado.

Um dos encaminhamentos da reunião foi a criação, ainda este mês, de uma Mesa de Situação, com a participação de vários setores da sociedade civil e do Poder Público, que se reunirá mensalmente para discutir as demandas relacionadas às alagoanas, principalmente nas áreas de saúde, educação e segurança.

Fecoep

A presidente do Cedim, Ana Ferreira, cobrou do governador um olhar mais eficiente para o Fecoep (Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza), frisando a importância e a necessidade da construção do Plano Estadual de Combate à Pobreza e da paridade no conselho do Fundo.

Sobre o assunto, Jó Pereira – que é conselheira do Fecoep – relatou que, infelizmente, "não há planejamento, monitoramento ou avaliação das políticas públicas realizadas com os recursos do Fundo". Ela também sugeriu que tais recursos, na ordem de R$ 260 milhões/ano, sejam focados prioritariamente em ações de combate à pobreza e que o acesso aos valores seja democratizado, fortalecendo o terceiro setor.

A parlamentar questionou ainda o funcionamento das Delegacias da Mulher no Estado, defendendo a importância de que pelo menos uma das poucas existentes funcione ininterruptamente: “São vários os relatos de mulheres que procuram essas delegacias e encontram elas fechadas... Entendemos todas as dificuldades pelas quais passa o Estado, aliás todos os estados, mas é importante garantirmos ao menos o funcionamento das delegacias existentes”.

A deputada mencionou também a necessidade do aprofundamento da discussão sobre a política de gênero nas escolas, principalmente as de ensino em tempo integral; a importância de reforçar a Patrulha Maria da Penha e sugeriu a criação de um projeto de lei, de origem governamental, similar a uma lei existente no Espírito Santo, punindo com multas os acusados de cometerem agressões contra as mulheres.

Na área da saúde, Jó mencionou o mau funcionamento dos Cacons (Centros de Alta Complexidade em Oncologia) e a necessidade de atendimento também nessa área no futuro Hospital da Mulher: “A gente espera que o hospital vá atender as principais demandas da mulher. É importante que ele não seja de caráter apenas obstetra, já que, dentro da saúde, a oncologia é a área que mais nos aflige”.

“Nós estamos fazendo os maiores investimentos do Estado. Ninguém olhou tanto para financiar e construir os equipamentos como o Estado de Alagoas. A demanda de saúde é muito ampla... Estou avaliando entrar na atenção básica de Maceió. Não são apenas os municípios que estão mal, é a capital, pois 80% dos casos de saúde poderiam ser tratados na atenção básica. Ninguém aumentou os recursos para a saúde como eu aumentei aqui... E vou deixar todos os hospitais funcionando. Esse será um marco histórico", garantiu o governador.

Ao final do encontro, Jó reforçou o convite a todos para participarem da audiência pública que discutirá a violência contra a mulher, no pŕoximo dia 18, na Assembleia Legislativa.

Por: Assessoria de Comunicação

error while rendering plone.comments